A ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DOS MÉDICOS PATOLOGISTAS, adiante designada pela sigla APOMEPA, é uma associação de natureza socioprofissional, criada ao abrigo do Decreto-Lei n.º 215-C/75 de 30 de Abril, e que agrega os médicos "titulares da especialidade de patologia clínica, anátomo-patologia e outras que a Ordem dos Médicos considere adequadas ao exercício das competências no âmbito da patologia clínica".

Foi constituída e adquiriu personalidade jurídica em 1975, então com a designação de Associação dos Médicos Analistas Proprietários de Laboratórios de Análises Clínicas, pelo registo dos seus estatutos no Ministério de Trabalho e Solidariedade, estatutos que foram publicados no Diário da República, N. ° 131, 111 Série, de 24 de Maio de 1976.

Os estatutos foram revistos e a designação da Associação foi alterada para a denominação actual em 1981, revisão publicada no Boletim do Trabalho e Emprego (BTE), N° 16, 3a Série, de 30 de Maio de 1981. O mandato dos Corpos Sociais é de quatro anos.

O grande e principal objectivo prosseguido pela APOMEPA visa garantir a qualidade da actividade dos laboratórios, estabelecendo princípios e regras para efectivar - no diagnóstico, monitorização terapêutica e prevenção no domínio da patologia humana - um sistema de Qualidade.

Nesse sentido, laborou activamente no Manual de Boas Práticas Laboratoriais, documento aprovado pelo Despacho N° 8835/2001, de 28 de Fevereiro, e publicado ,no Diário da República, II Série, N° 98 de 27 de Abril, e tem dado especial atenção à Formação Profissional de médicos e demais pessoal, com vista à actualização e reforço da sua competência profissional.

Na área técnica e científica a APOMEPA tem participado na regulamentação do sector, directamente ou em colaboração com os organismos da tutela, com a Ordem dos Médicos, a Ordem dos Farmacêuticos e com as Associações congéneres.

No âmbito das suas atribuições sociais a APOMEPA negoceia anualmente o Contrato Colectivo de Trabalho com os Sindicatos representativos das categorias profissionais ao serviço dos laboratórios de Patologia Clínica, o que inclui a revisão de vencimentos, as cláusulas de expressão económica, as categorias profissionais e funções, e toda a demais disciplina laboral.

Na área económica e financeira negociou e subscreveu um Protocolo de Relacionamento Financeiro / Sistema de Pagamento a Convencionados com as Administrações Regionais de Saúde, envolvendo instituições bancárias. Trata-se de um instrumento decisivo para a liquidez e tesouraria dos laboratórios aderentes, que visa atenuar os atrasos regulares de pagamento dos serviços e cuidados de saúde prestados pelos laboratórios aos beneficiários do S.N.S..